quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Aprendiz

Esse gosto de quem já muito viveu, sem saber se viveu. Sou uma alma velha, errante. Aprendiz. Que parece que tudo esqueceu nessa nova vida. Me inquieto como alguém que não sabe pra onde vai e nem porque vai. Como eu queria um vento forte pra me guiar, assim como muitos barcos são levados mar afora. Se doar, é o caminho. Se permitir. O que há pra saber de tudo senão nada? Abrir os olhos e vê a existência de todas as coisas como reais e únicas.

Nenhum comentário: