sábado, 3 de dezembro de 2016

Faz tempo.
Não lembro mais teu cheiro de pele enxuta sem cheiros.
O que impregna na mente é a textura, essa que tem tua pele.
Suave, deslizo.
Te sinto como quando toco em mim.
Teu corpo está no meu e o meu corpo no teu.
Carne viva e cintilante.
Em brasa.

Nenhum comentário: