quinta-feira, 3 de março de 2016

Origem

Todo o meu corpo é feito de memórias que circulam por entre minha corrente sanguínea. A cada batida, o corpo espalha memórias pelas minhas veias, meus músculos, meus órgãos. Na agitação do dia e na ansiedade rotineira que me permeia, o corpo clama por esse encontro com a memória ancestral, esse acalmar da mente retornando para dentro, para o sagrado. Não há caminho mais desejado, mais harmonioso mais cheio de luz do que o retorno às origens do nosso ser. A serenidade invade a mente, o corpo, e sinto a força da terra, a frequencia do universo. Esse pulsar, sentir, é o alimento da alma. E da mesma forma que o alimento é essencial para o corpo, esse encontro também o é. Façamos as pazes com nossa ancestralidade espiritual, sejamos abertos para o amor universal que nos torna um e para o ato de ouvir e sentir os impulsos da alma.

Nenhum comentário: